24 de agosto de 2015

Deficiência nas escolas públicas e suas péssimas condições de trabalho

Neste decênio o Brasil objetiva alcançar duas metas. Aumentar a matrícula nas escolas, preservando a qualidade do ensino na escola pública. Na matrícula, as 188 mil escolas do governo deslancham. Mas, se esborracham na qualidade do ensino que passa longe da prioridade. As péssimas condições estruturais dos colégios e de currículos desmotivam os 42,22 milhões dos alunos que sonham instruir-se para garantir vida saudável no futuro, via ascensão econômica e social. No mundo, ensino básico significa desenvolvimento. Mais no Brasil a deficiência das escolas públicas, a falta de laboratórios, de bibliotecas e a desvalorização dos professores impedem a conclusão do ensino médio com a juventude dominando a leitura e a escrita. Foto: Maria Albênia Silva. Carlos Ivan. Olinda/PE