26 de agosto de 2015

Rio morrendo por falta de atitudes

Um dia o Tâmisa, o maior rio da Inglaterra, com 346 quilômetros de extensão, foi fonte de poluição. A sujeira despejada em seu leito pelas indústrias, esgotos e residências intoxicava e matava quem usasse ou bebesse a água do rio morto. Foi o cheiro de ovo podre que indicava a falta de oxigenação que obrigou o Parlamento inglês a apressar a aprovação de rígida legislação ambiental contra o despejo de poluentes. Quebraram as paredes de concreto que impermeabilizavam as margens. Limpo e despoluído, o Tâmisa recuperou a vida selvagem. Está povoado por diversos tipos de peixes, de invertebrados, pássaros e mamíferos. Trouxe de volta os esportes náuticos para o seu leito. Agora, vítima dos mesmos problemas do Tâmisa, o rio Capibaribe, do Recife, está morrendo por falta de atitudes. Foto: Prefeitura do Recife. Carlos Ivan. Olinda/PE