13 de setembro de 2015

Passeio forçado da Tam

Depois que passei da classe pobre para a classe média, constatei que essa e outras classes superiores suportam cada coisa “goela abaixo” que não está no “gibi”, além de apreciar certas iguarias e bebidas que nem o cachorro, mesmo apanhando, come. Alguns exemplos são caviar, lagosta, vinho chileno e por ai vai. Agora, o pior de tudo é se submeter a um passeio forçado pelas companhias de aviação. Comprei um pacote turístico indo e vindo ao destino durante o dia, depois a TAM me informou que o voo de volta não iria para o Recife e sim direto para Fortaleza, às 22 horas, para no outro dia eu vir para a minha terra ou então ir para São Paulo, aumentando o tempo de trajeto de uma para mais de seis horas. Cancelei o pacote e fiz outro, mesmo custando o dobro do preço. Para fazer coisa forçada já basta pagar impostos ao nosso governo, sem ver retorno. Foto: Polícia Federal. Cláudio de Melo Silva. Olinda/PE