22 de outubro de 2015

O nordeste castigado pela suas estradas mal conservadas

Deixar a pobre região nordestina com dependência exclusiva das rodovias para movimentar cargas, escoar a produção, demonstra desinteresse econômico, descaso político. Dos modais de transporte, o rodoviário é o mais caro, o de custo mais elevado para o bolso do consumidor. Ansioso por um sistema de vida mais barato. Como não pode contar com o transporte ferroviário, cuja malha nacional não cresce desde 1990, e em virtude da Região não cobrar pedágio, mas totalmente vítima da burocracia, da ausência de logística e do desperdício de estoques, o nordestino tem de enfrentar estradas mal conservadas e esburacadas que acabam encarecendo os custos, elevando o preço dos produtos no mercado. Enquanto a ferrovia Transnordestina permanecer no campo dos sonhos, de difícil realização, o transporte no Nordeste continuará problemático. Altamente ultrapassado. Foto: Firmino Caetano Junior. Carlos Ivan. Olinda/PE