10 de novembro de 2015

Desempregados pode atingir patamares insuportáveis

O fato de está desempregado faz com que o indivíduo sinta vergonha e culpa por não está conseguindo trabalho. Além de peregrinação pelas portas de fábricas e lojas, o indivíduo tem que enfrentar diante dos parentes e amigos o estigma do desemprego, sendo, muitas vezes, tachado de preguiçoso, incapaz etc. Situação de desequilíbrio que afetam a relação familiar e abalam a autoconfiança da pessoa, gerando sentimento de culpa e deteriorando os vínculos sociais e efetivos. O desempregado é experimentado com uma punição por falta de competência ou de aptidão para o trabalho, repercutindo diretamente na auto-estima. Pessoas que sempre foram íntegras e honestas se vêem sem condições de pagar suas contas e saldar dívidas, tendo que conviver com a vergonha e humilhação da cobrança e dos cobradores. Em nossa sociedade machista, onde é esperado que o homem assuma o papel do provedor do lar, abre-se uma ferida na identidade masculina, fazendo brotar sentimentos de fracasso. O sofrimento psíquico do desempregado pode atingir patamares insuportáveis, e o desespero e falta de perspectivas e levá-lo a situações limites. No auge da angústia, há casos que o indivíduo assassina toda a família e, em seguida, se mata. Foto: Evertton Momberg. Eduardo P. de Aquino. Recife/PE.