22 de janeiro de 2016

A crise na indústria automobilista é mais grave do que se imagina

A desaceleração da indústria automobilística traz nova decepção para o brasileiro. Depois de atravessar fases de expansão, bater recordes de produção, registrar recordes de lucros, ter incluído o país entre os maiores produtores de veículos do mundo, o setor automotivo, empurrado pelas crises, forçado pela queda nas vendas e especialmente bombardeado pelo desaparecimento dos incentivos do governo, foi obrigado a frear o ritmo de produção, diminuindo a quantidade de veículos fabricados. A decisão afetou vários segmentos da economia. Atingiu o setor de peças, a indústria química, o ramo de aços e derivados, o de máquinas e equipamentos, de material eletrônico, produtos de metal, vidro, borracha e plástico. Para vencer a estagnação uma das saídas é mandar brasa na exportação de carros. Foto: Firmino Caetano Junior. Carlos Ivan. Olinda/PE