25 de setembro de 2013

O futebol de Pernambuco no fundo do poço

Há fartas evidências de que os times de futebol de Pernambuco não tem sendo geridos de forma eficiente. Campanha medíocres nas competições nacionais não deixam dúvidas de que algo está errado. É inaceitável que um time com a tradição do Santa Cruz chafurde há anos na terceira ou quarta divisão. O Sport, dono de um patrimônio invejável, sofre com picuinhas e vaidades entre diretores que estão dividindo e esfacelando o clube e, desde 2008, (após a gloriosa conquista da Copa do Brasil), não consegue montar uma equipe capaz de representar o clube à altura. O Salgueiro que surpreendeu chegando a série B, em 2001, não consiga administrar o feito e despencou para série D. Quanto ao Náutico, não precisa comentar, porque o ex-técnico Jorginho expôs o que todo torcedor alvirrubro já sabia, exceto a diretoria. Infelizmente, e inexplicavelmente, não vemos a imprensa especializada fazer sua parte. As críticas pesadas são geralmente direcionadas às partes mais frágeis, ou seja, a técnicos e jogadores (que muitas vezes saem de Pernambuco escrachados e têm sucesso em outras equipes). A verdade, mesmo que inconveniente, não deve ser mascarada. Os clubes citados precisam de gestores profissionais e a imprensa, nesse momento crítico, deve apresentar os fatos como se apresentam sem usar eufemismos, ou há preocupação em melindrar os diretores dos clubes? Foto: Firmino Caetano Junior. Gabriel Fernandes. Recife/PE