7 de maio de 2014

Revista intima nos presídios

Uma decisão do juiz Luiz Rocha, da 1ª Vara de Execuções Penais,  em Pernambuco, determinou  que os visitantes de detentos não passem mais pelo procedimento  de revistas intimas em presídio principalmente as mulheres que precisavam se agachar nus  sobre um espelho para verificar a presença de drogas, celulares ou outros tipos de objeto escondidos dentro do corpo.   Uma atitude humana, porque é um fato constrangedor  principalmente para gente de bem . Sua decisão entretanto se baseou em uma pesquisa de São Paulo onde das 4. 417 apreensões de drogas apenas 354 (8%) foram nas revistas. Acho que essa estatísticas é baixa   assim exatamente pela revista íntima que intimida os visitantes. Terminar com a revista íntima para quem é envolvido com droga é aumentar o comércio dentro do presidio. O certo é dotar os presídios dos mesmos equipamentos que temos nos aeroportos. A decisão ainda é cautelar, e espero que nossas autoridades pensem bem antes de tomarem uma atitude que não seja a melhor possível. Foto: Divulgação. Edson Campos E Silva. Recife/PE