20 de maio de 2014

Seleção de Felipão x Povo dormindo no chão

Não importa o que digam Pelé, Ronaldo, e outros famosos que não necessitam madrugar e enfrentar transporte público para ganhar o caviar de cada dia, que não são obrigados a matricular seus filhos em escolas públicas que mais contaminam do que aprimoram a personalidade da infância ou que podem valer-se de hospitais com tecnologia sofisticada, sem fila, sem prazos para atendimento. A quantidade de dinheiro que se gastou e se embolsou para que o povo tenha um espetáculo de um mês é uma afronta à Nação, e o pior é que o governo, que deveria proteger o seu povo, trocou a saúde, educação, saneamento, transporte e outras necessidades básicas, por um título que nem sabe se vai conseguir. Mesmo que a Seleção consiga levantar a taça, os efeitos colaterais da incúria dos nossos governantes e “representantes” é um preço muito alto por uma alegria transitória. Dói na alma de qualquer brasileiro despojado do fanatismo esportivo ver na mídia pessoas morrendo nas filas de hospitais, pessoas em macas e até mesmo no chão sendo atendidas em condições precárias nos corredores, recebendo medicação em sanitários, pessoas passando frio e fome para pegar uma senha para consulta que levará meses ou anos para ser realizada e muitas outras em todo Brasil morrendo de fome e dormindo no chão como mostra este flagrante feito no Recife pelo jornalista Firmino Caetano, precisamente na Rua do Sol, centro da capital de Pernambuco. Desculpe, Felipão, não vou torcer pela sua Seleção. Nada contra sua pessoa que fique claro. Foto: Firmino Caetano Junior. Geraldo Hernandes. São Paulo/SP