26 de maio de 2014

Sensação de insegurança durante jogos de futebol

A falta de leis duras, a ausência de autoridade para repelir a bagunça e o vandalismo, impondo ordem na casa, intranquiliza a sociedade. Sustenta a sensação de impunidade. Incentivam as reincidências delituosas, os conflitos entre as torcidas organizadas de Sport, Náutico e Santa Cruz. Sem o menor constrangimento. O descaso transforma o Recife em cenário de crimes nos dias de jogo. Abre brechas para a bagunça se generalizar na cidade. O vandalismo imperar. Transformar ruas em praças de guerra. Prostrando vidas. Deixando jovens com eternas sequelas. A situação entre as torcidas organizadas no Recife requer severas atitudes. Evitar rixas, impedir a formação de quadrilhas, eliminar tumultos, indiciar suspeitos, prender suspeitos, condenar os culpados é necessário. Tomara a morte de Paulo Ricardo Gomes da Silva, 26 anos, morto pelo baque de uma privada atirada do alto estádio do Santa Cruz, sirva de exemplo para incriminar quem estiver envolvido no lamentável episódio. Pena que o laudo do Instituto Médico Legal demore uma eternidade para apontar as causas da morte do jovem indefeso. Foto: Aldo Carneiro. Carlos Ivan. Olinda/PE