30 de setembro de 2013

Destruição de uma cidade

Vários forasteiros que vem ao longo dos anos administrando a cidade de Olinda, vem acabando com o município sem dó nem piedade. Logo após 1964 foram erguidos conjuntos habitacionais, melhorias na Vila Popular, Ouro Preto, Jardim Brasil, Tabajara, Cohab Rio Doce e vários outros. As pessoas foram assim beneficiadas com um bem imóvel, mas as autoridades na época esqueceram os serviços básicos, como saneamento, escolas, posto de saúde, transporte, segurança e emprego para o povo, que vem persistindo até os dias de hoje. A cidade cresceu muito e o que se arrecada de impostos não atende os anseios da população. Os problemas são grande e sempre carecendo de gente competente para administrá-la, e os diversos gestores, um a cada vez, mais afundaram a cidade. No poder há 13 anos, o partido governante, não tem interessem que este quadre mude, vem, paulatinamente, destruindo a cidade. A cidade de Olinda é um buraco só, nunca foi vista com tantos problemas em suas ruas, obras inacabáveis, quando chove alaga a maioria dos bairros, rede de água pluviais entupidas, esgotos estourados a céu aberto causando insatisfação no eleitorado e o pouco que foi feito, foi mal feito e caro e como exemplos: Estádio do Rio Doce, Avenida Presidente Kennedy, Viaduto da Pan Nordestina e conjuntos residenciais da V8 e V9, desperdiçando assim o dinheiro público. As obras da orla do Bairro Novo já dura 9 anos e os atuais administradores não conseguiram concluir, em que pese a montanha de dinheiro enterrado, pois já foram refeitos três vezes em inúmeros trechos, dado a má qualidade em sua execução, coisa inaceitável, pois Juscelino construiu Brasilia em 5 anos apenas. Olinda não merece isso. Foto: Firmino Caetano Junior. Fernando Spanghero. Olinda/PE