23 de março de 2014

Nota zero no dever de casa

No Brasil é assim: enquanto a prioridade é investir R$ 25,5 bilhões na Copa do Mundo (sendo 85% com recursos públicos), obras de saneamento- direito básico de todo cidadão- recebem menos R$ 11,2 bilhões nos últimos 12 meses. É  o que mostra pesquisa do Instituto Trata Brasil. Para se ter uma ideia do absurdo, no País, 35,5 milhões de residências não possuem coleta de esgoto e, para atingir os 100%, seria necessário injetar R$ 313 bilhões até 2033, o que não deve acontecer. Isso porque temos governos cuja prioridade é se promover com faz de conta, visando sempre as próximas eleições. A prova disso é que estamos no centésimo doze lugar , entre os 200 países, quando o assunto é saneamento. Não fosse isso, poderíamos arrecadar por ano mais R$ 7,2 bilhões com o turismo e gerar 500 mil empregos em áreas precárias, onde hão há coleta. Se tudo funcionasse nos conformes, teríamos redução de 6,8% no atraso escolar e, comisso, haveria aumento na produtividade e aumento salarial, sem falar do que  pouparíamos em despesas com o SUS. Foto: Firmino Caetano Junior. Jamille Coelho. Editor de Economia do Jornal Folha de Pernambuco.