5 de julho de 2014

Usuários de plano de saúde fica em segundo plano

No Brasil, mais de 50 milhões de pessoas possuem planos de saúde e cada ano precisam arcar com os reajustes abusivos concedidos pela ANS para continuarem usufruindo dos serviços que geralmente deixam, e muito, a desejar. Mas o pior é saber que esse dinheiro não tem sido totalmente revertido para a melhoria dos atendimentos e tratamento dos usuários e, sim, para bancar os gastos administrativos das operadoras. Para se ter ideia, oito das 25 maiores empresas no ramo no País elevaram em 29% suas despesas com publicidade, investimentos e pessoal, entre 2012 e 2013, quando os reajuste aplicados foram de 7,93% e de 9,04%, respectivamente. A postura mesquinha das empresas vai totalmente de encontro às necessidades dos usuários, que penam nas filas de espera para serem atendidos, demoram meses para marcar uma consulta e enfrentam grandes dificuldades na hora de pedir uma autorização para determinados procedimentos. Qual será a medida punitiva que a ANS tomará para sanar o problema? Afinal de contas, é sua obrigação defender os usuários. Foto: Firmino Caetano Junior. Jamille Coelho. Editora de economia do Jornal Folha de Pernambuco