24 de agosto de 2014

Jogo politico traz grande prejuízo e desemprego em massa

Desde maio, a Compesa (Companha Pernambucana de Saneamento) espera, sem sucesso, o repasse de R$ 439 milhões da União para tocar a obra da Adutora do Ageste, que deveria ficar pronta em 2015, antes mesmo da transposição. Com isso, o projeto deve atrasar e muito, já que as empresas foram obrigadas a demitir mais de mil operários e parar algumas frentes de trabalho. Agora, cerca de dois milhões de pessoas, que foram extremamente castigadas pelos últimos anos da seca, devem se preparar para a mesma peleja entre 2105 e 2016, que prometem ser escassos de chuva. Mesmo sem água da transposição, atrasada há mais de dois anos, a adutora operaria com 20% de sua capacidade usando as águas de alguns rios e barragens do Estado. Mas nem isso será possível. O que mais revolta é saber que esse joguinho de segurar o dinheiro para uma obra estruturante é puramente política, pois sabemos das brigas mesquinhas entre o PT e o PSB. Isso entrerra os sonho de uma gente que viu suas vidas sendo devastadas pela estiagem e que confiam seus votos num messias politico ou num indicado por ele. Foto: Divulgação. Jamille Coelho. Editora de Economia do Jornal Folha de Pernambuco