17 de novembro de 2014

Calçada danificadas causam imobilidade

Andar pelas calçadas do Recife exige sacrifício do pedestre. Todo dia cerca de 1,5 milhão de pessoas são obrigadas a usar as calçadas para honrar os compromissos, ir ao trabalho, ao médico, ao banco, ao comércio ou apenas a passeio. Prioritariamente, as políticas públicas só se dedicam atualmente ao sistema viário, construindo trechos de corredores, viadutos e estações para o transporte do BRT-Bus Rapid Transit, mas, ninguém fala em recuperar calçadas, passeios ou obras do gênero para facilitar a vida do pedestre na rua. Autoridade alguma mostra preocupação com os direitos de quem precisa andar a pé até em curtas distancias. É comum existir calçadas esburacadas, cheias de entulhos, com poças d’água ou coberta de vegetação. Noutras vezes encontram-se espaços sendo ocupados por oficinas de carro. Embora exista legislação no Recife obrigando o responsável do imóvel pela manutenção das calçadas, especialistas reconhecem que por integrar o sistema viário de trânsito, segundo o Código de Trânsito Brasileiro, o pedestre deve ser respeitado nos seus deslocamentos a pé, cabendo ao poder público a responsabilidade pela manutenção das calçadas. Foto: Firmino Caetano Junior. Carlos Ivan. Olinda/PE