9 de novembro de 2014

Cresce miséria no Brasil

Pra onde o país se vira, topa com a inflação, sofre ameaça no câmbio, nos preços e até na alimentação. As labaredas do dragão reduzem o poder de compra dos assalariados, rouba o rendimento. Num país onde a economia é dominada pela inflação persistente e a recessão, difícil segurar a miséria. A falta de políticas sociais engrandece a pobreza, comprime o consumo, afugenta os investimentos. Agora o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada bate forte ao divulgar que entre 2012 e 2013 a extrema pobreza cresceu no país.  Houve um acréscimo de 370 mil pessoas nos registros anteriores que indicavam 10,081 milhões, passando para 11 milhões de pessoas famintas, obrigadas a viver com menos de R$ 70,00 por mês que é insuficiente para suprir as necessidades calóricas mínimas das famílias. Prova que o Bolsa-Família é apenas um programa assistencialista obrigatório. Nunca um perfeito distribuidor de renda. Para acabar com a miséria e a fome é preciso aplicar corretamente os impostos na geração de emprego, pagar salário decente, saneamento básico, combater a desnutrição infantil, melhorar a saúde pública, educação com qualidade. Foto: Firmino Caetano Junior. Carlos Ivan. Olinda/PE