5 de dezembro de 2014

Pode haver colapso no abastecimento de água

Em virtude da falta de chuvas na área de influência da Barragem de Botafogo, situada em Igarassu, a Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa), a fim de evitar um futuro colapso no abastecimento, realizou mudanças no esquema de fornecimento de água em localidades das cidades de Olinda, Paulista, Abreu e Lima e Igarassu, na parte Norte da Região Metropolitana do Recife. Em alguns bairros desses municípios, que são atendidos pelo Sistema Botafogo, está sendo implantado um calendário provisório, até que o reservatório, que hoje está com 22% de sua capacidade acumulados, possa recuperar seu nível normal, o que poderá ocorrer a partir de maio de 2015, quando inicia o período chuvoso nessa região. Por não ter havido chuvas nos afluentes que levam água para a Barragem de Botafogo, o manancial começou a ter sua vazão reduzida em virtude da baixa do volume de água acumulado. Para se ter ideia, até o início de novembro deste ano, a Compesa conseguia captar de lá 520 litros de água por segundo. Mas, com o baixo nível da barragem, a vazão foi reduzida para 200 litros por segundo. Atualmente, o volume de água acumulado em Botafogo, 22%, é o pior dos últimos quatro anos. Em 2013, nesta mesma época, a barragem possuía 62,29%; em 2012, eram 42,06%; e, no ano de 2011, 78,76%.  Para permitir que haja fornecimento à população atendida por esse sistema, a Compesa realizou ajustes no seu esquema de distribuição, de modo que todos possam continuar recebendo água, porém em dias pré-estabelecidos. Nos bairros do Centro, Maranguape I e Arthur Lundgren I e II, em Paulista, Casa Caiada, Bairro Novo, Bultrins e Jardim Fragoso, em Olinda, em toda a cidade de Igarassu haverá dois dias com água para dois sem água. Em Abreu e Lima, o bairro de Caetés III terá um dia com água e três sem. Foto: Divulgação