1 de dezembro de 2014

Postos de saúde lotados de pessoas com doenças de pobre

O Brasil ainda permanece vítima das doenças negligenciadas. Pessoas da classe pobre continuam sendo atacadas por esquistossomose, doença de chagas, malária, tuberculose e diarreias. A falta de saneamento nos bairros pobres e de raras possibilidades de lucro para a indústria farmacêutica deixa a população de baixa renda entregue à própria sorte. Enchem os postos de saúde públicos, com pacientes reclamando de sintomas dessas enfermidades de natureza infecciosa e parasitária que só existem atualmente em países subdesenvolvidos. Os altos índices de casos de doenças diarreicas registrados no país, fruto da enorme quantidade de ambientes sem higiene, levaram a óbito mais de 4 mil pessoas no ano passado, sendo a maioria crianças de até cinco anos. Os mais de 69 mil casos de tuberculose registrados no Brasil em 2012 mataram quase cinco mil pessoas.  Então, deve-se cobrar das autoridades mais empenho na adoção de medidas preventivas e de mais tratamento nas áreas mais pobres das cidades para evitar que as chamadas doenças da pobreza permaneçam resistentes no país, e matando gente até no Recife exclusivamente por causa de descuido do poder público. Até quando? Foto: Eduardo Silva Souza. Carlos Ivan. Olinda/PE