9 de novembro de 2013

Conflito sócio-ambientais em Suape

A tolerância dos Poderes constituídos em Pernambuco em relação às injustiças sociais e ambientais praticadas no entorno do Complexo Industrial Portuário de Suape tem agravado as tensões naquele território, tornando-o uma verdadeira “panela de pressão” social e ambiental. Onde hoje se localiza com mais de 130 fábricas espalhadas em um território de 13,5 mil habitantes, havia 27 engenhos com mais de 15 mil famílias. E o que se constata é que aquela população (bem mais reduzida atualmente), invisível aos olhos da sociedade e fraca enquanto grupo social de expressão sofreu, e continua sofrendo a maior e a mais truculenta opressão já vista para abandonar os seus sítios, as suas residências, abandonar, enfim, o seu modo de vida, um direito assegurado pela Lei e pelos costumes. Para tanto, a empresa Suape militarizou a sua Diretoria de Gestão Fundiária e Patrimônio, ocupada atualmente por ex-policiais civis e militares. Nada contra estes cidadãos que já trabalharam em órgãos de segurança do Estado. Todavia a indignação é contra o “modus operandi” que empregam na relação com os moradores nativos, onde na Delegacia da cidade do Cabo, já existe diversas queixas contra eles. Foto: Heitor Scalambrini Costa. Recife/PE