28 de maio de 2014

Preços dos eletrodomésticos dispara nesta Copa do Mundo

'Gigante latino-americano". É assim  que o Brasil é visto aos olhos de alguns países mundo afora. No entanto, essa boa fama começa a ruir. A poucos dias da Copa do Mundo, o País não está no foco do noticiário internacional por conta do futebol. O peso da alta carga dos impostos no País entrou na mira da imprensa econômica mundial, que antes já vinha batendo somente na péssima condução da economia. Recentemente, o jornal francês "Le Monde" se assustou ao comparar os preços de eletrodomésticos no Brasil, que custam em média, 50% a mais do que nos outros países emergentes. Números que se agravam quando esses dados são cruzados com o salário médio de um brasileiro, que hoje está em R$ 724. Entretanto, a grande problemática não está na carga tributária em si, mas na ausência de contrapartida de serviços de qualidade. Ninguém consegue perceber onde o dinheiro foi investido. Questões básicas como transporte, educação e saúde têm condições miseráveis, o que obriga o cidadão a gastar (muito) mais. Foto: Firmino Caetano Junior. Jamille Coelho. Editora de Economia do Jornal Folha de Pernambuco