28 de outubro de 2014

Ciclovias e a insegurança para os ciclistas

O estímulo ao uso da bicicleta criou nova mania na Região Metropolitana do Recife. Mas, como não construiu ciclovias à altura, a insegurança cresceu para os ciclistas. O número de acidentados no Hospital da Restauração avolumou-se na unidade hospitalar, devido às ciclofaixas apagadas e à intensa mistura com o fluxo de ônibus. Embora a vontade fosse estimular o uso de um modal agradável e tranquilo, a rotina mostra outra realidade.  A Região Metropolitana recifense foi construída apenas para os ônibus. Ainda não despertou no motorista a visão de que tanto o pedestre, quanto o ciclista merecem respeito no trânsito. Os 28 quilômetros de ramais cicloviários fixos, mais 35 quilômetros de ciclo faixas de turismo e lazer representam limitada extensão para os amantes da bike. Em Olinda, como as obras de requalificação da orla duram mais de três anos, os carros se misturam com bicicletas e caminhantes. Como os veículos ultrapassam os limites de demarcação da ciclovia, os ciclistas invadem o calçadão. Foto: Inaldo Menezes. Carlos Ivan. Olinda/PE.