26 de outubro de 2014

Desafios do próximo presidente

As despesas públicas faz três anos escaparam do controle do governo. O poder público sente-se incapaz de enxugar os excessivos gastos, limitar as despesas aos índices de arrecadação. O medo de agravar a crise aumenta, com a série de inconvenientes. A inflação está braba, a taxa de crescimento do PIB preocupa, a economia passa por reflexos de estagnação e a poupança interna anda insignificativa. Então, como a incômoda situação fecha a transparência, a tendência do equilíbrio das contas públicas também tende a cair. Provocando desespero principalmente para a classe empresarial e o povo que, além de rejeitar a quantidade de 39 ministérios, também temem que os cortes de gastos na educação e na saúde tragam mais sufocos sociais, no futuro. Por isso, enquanto persistirem dúvidas muitos projetos de expansão de capacidade produtiva e os investimentos ficarão no aguardo do aparecimento de novos tempos. Foto: Firmino Caetano Junior. Carlos Ivan. Olinda/PE