4 de março de 2015

Número de miseráveis cresce, embora governo negue

Em 2011, o Banco Mundial fixou o valor de R$ 70,00 como limite da linha de miséria. Recebendo até o limite, o indivíduo está na faixa de extremamente pobre. Mas, se passar do limite, o cara sobe para o patamar superior, o da categoria de miserável, o do indigente. O número da pobreza recuou, mas o da miséria cresceu. Em 2013, o Brasil, a oitava economia do mundo, registrou 10.4 milhões de miseráveis. Apesar de produzir 145 milhões de toneladas de alimentos, o país da corrupção tem um dos maiores índices de miséria e fome do planeta. Foto: Firmino Caetano Junior. Carlos Ivan. Olinda/PE