12 de março de 2015

Processos caducando, pela falta de juízes e servidores

A maior deficiência da Justiça pernambucana encontra-se na primeira instância. A carência de 300 juízes e de 1.500 servidores congestiona a tramitação de processos. Ajuda a acumular processos, irritando a sociedade. Embora a constituição de três Câmaras Extraordinárias, dedicadas a priorizar processos caducos, a criação das Centrais de Agilização e a implantação de novas Varas tenham desemperrado um pouco o Judiciário, quem sabe, os baixos indicadores sociais, o desequilíbrio social e a porcentagem de pessoas vivendo abaixo da linha de pobreza ajudem a deixar a Justiça pernambucana lenta. Capaz de engavetar montanhas de processos para desespero dos interessados. Foto: Firmino Caetano Junior. Carlos Ivan. Olinda/PE