7 de março de 2015

Violência e rebelião nos presídios, virou rotina e coisa normal

Desde 2011, o Complexo Prisional do Curado, o maior presídio do Recife registrou 203 denúncias de atrocidades contra presos. Os casos de detentos presos, apesar do cumprimento da pena, as condições de insalubridade, as mortes, a omissão do Estado quanto às torturas e a falta de ação contra o mercado interno, funcionando livremente no presídio, levam às rebeliões, aos motins.  Com capacidade para apenas 2.114 presos, em 2014, o Complexo do Curado abrigava 6.953 detentos. No presídio do Cotel (foto), a situação não é diferente. As rebeliões quando acontece deixa sempre um rasto de sangue. Foto: Kety Marinho. Carlos Ivan. Olinda/PE