24 de abril de 2014

Transporte público precário

Ir de ônibus para o trabalho até que seria uma boa pedida, se houvesse reciprocidade. Isto é: as empresas de transporte público oferecessem ao passageiro conforto, rapidez no percurso, lotação em nível aceitável. Os empresários de ônibus urbanos não visassem apenas o lucro e não fossem tão fominhas na venda de passagens. Mas, como o lema do sistema do transporte público brasileiro é atender apenas a classe de baixa renda e menos exigente no tocante ao conforto, à lotação e à irregularidade de horário, os empresários não se preocupam com investimentos no setor. Por isso, acham que os três mil coletivos circulando nas linhas do Grande Recife são mais do que suficientes para atender a demanda dos dois milhões de usuários que diariamente se deslocam pela Região Metropolitana do Grande Recife, e não haver a preocupação com o estado de uso dos ônibus, haja o estresse causado no passageiro. Enfrentar todo santo dia o desconforto do ônibus, geralmente lotado, é um saco. O Recife, já está no estágio de oferecer melhor sistema de transporte público ao povo, jogando estes trambolhos chamados de ônibus urbano no ferro velho para ver se ainda se aproveita pelo menos algumas peças, desgastadas pelo uso constante. Foto: Firmino Caetano Junior. Carlos Ivan. Olinda/PE