22 de julho de 2014

Famílias individadas é fator preocupante

Quem imagina a cadeia produtiva do Brasil navegar numa maré boa, atravessar excelente fase, no momento, se engana. Cai do cavalo. A situação do setor produtivo está difícil. O próprio IBGE propagou recentemente, o fraco desemprenho das vendas a varejo. O órgão da estatística oficial do país demonstrou sinais de retração no mercado, até mesmo no mercado automotivo, segundo dados levantados em abril passado. Quem observa a movimentação de clientes nos supermercados, nem desconfia de que está havendo queda de consumo. Deduz de que não está acontecendo acúmulo de estoques, motivado pela pressão inflacionária que empurra o setor de alimentos contra a parede. Imprensando o consumo. Todavia, de todas as questões levantadas na economia brasileira pelas empresas de consultoria, a mais preocupante, a que mais intranquiliza, causa verdadeira apreensão, é o endividamento familiar. O comprometimento da renda das pessoas. A redução da disponibilidade financeira do cidadão que, mantida sob descontrole, pode levar rapidamente à inadimplência. Para aquecer a economia, vencer os períodos de retração, como o de agora, teve governo que incentivou o povo a comprar. Pouco importando se os gastos excessivos provocassem mais inflação, carestia, desconfianças, incertezas,  alto endividamento. Na época, teve gente que foi na onda e se deu mal e emburacou em dívidas. Foto: Firmino Caetano Junior. Carlos Ivan. Olinda/PE