17 de agosto de 2014

Driblando o consumidor

Na pressa, durante as cansativas compras de supermercados, pouca gente percebe, mas a indústria de alimentos está usando um artifício eticamente discutível para combater o prejuízo da inflação, que chegou a 6,52% em 12 meses, terminados em junho. Observa-se nas prateleiras a redução das embalagens de alguns produtos para conseguir manter o mesmo preço. Uma famosa marca de lei em pó, por exemplo, que até pouco tempo trazia 300g do lácteo, agora traz 280g. Chocolates, biscoitos, queijos, cereais seguem o mesmo caminho. A redução em si não é ilegal, desde que seja informada com clareza. A "maquiagem de produtos" teve seu ápice nos períodos de congelamento de preços, em especial no Plano Cruzado, em 1986. Na época, as indústrias optavam por reduzir o peso dos produtos para escapar do tabelamento. O tempo passou e o consumidor ficou mais consciente sobre seus direitos e mais reativo aos aumentos, chegando a reduzir as compras  ou até mesmo trocar por outra marca mais em conta. Foto: Firmino Caetano Junior. Jamille Coelho. Editora de Economia do Jornal Folha de Pernambuco